quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Sim, a Constança Urbano tem direito a almejar as férias.

O que aconteceu em Junho e no dia 15 de Outubro foi uma calamidade, mas não foi culpa da Constança Urbano de Sousa, não foi.
Acho verdadeiramente vergonhoso que metam nas costas de uma mulher a incompetência que tem vindo a ser praticada ao longo de décadas no que diz respeito a protecção das Florestas.
As pessoas que se regozijam com a sua demissão, com o seu: "não aguento mais", que gozam com as lágrimas que verteu e lhe chamam de fraca metem-me nojo porque eu tenho nojo de pessoas hipócritas. As pessoas que a apedrejam publicamente, são as mesmas que metem emojis tristes nas publicações que dizem respeito aos fogos, enquanto estão num jantar de amigos a rir-se às gargalhadas, porque nós podemos continuar a viver e estamos gratos porque não aconteceu connosco, a Constança Urbano é que é uma cabra sem coração porque falou em férias.
De facto as pessoas que morreram não mais terão férias, as pessoas que viram as as suas vidas ardidas, o suor e o sacrifício de largos anos desaparecer em cinzas e lágrimas, não devem estar a pensar em férias de certeza.
Eu vi uma ministra destroçada, uma mulher que só lhe faltou cair de joelhos perante o publico por estar trespassada pela dor e pela impotência e responsabilidade que sentiu. Eu vi alguém que sentiu empatia pela dor dos outros, que admitiu que aquele foi o momento mais dificil da sua vida, não tendo sido a sua vida, ali, reduzida às chamas. Mas a Constança é fraca porque chorou, o Marcelo porque é homem, pode abraçar uma senhora e toda a gente o acha perfeito ( e foi perfeito porque foi empático e se importou).
Claro que se tem de apurar responsabilidades, responsabilidades que vão desde o agricultor que acha que deve fazer queimadas, ao condutor que manda uma beata pela janela, às pessoas que não limpam os terrenos, aos piromaníacos, às madeireiras e outras Empresas que ganham com isso, a nós todos que contribuímos para a mudança das condições climatéricas, a quem planta eucaliptos.
Claro que têm de ser tomadas medidas, preventivas e eficazes que, infelizmente, não se conseguem em 4 meses, porque então o governo anterior e associados têm de enfiar a cabeça num balde de merda e baixar a crista, porque estiveram lá bem mais tempo e não o fizeram.
O problema é que enquanto o Bento Rodrigues que jurou nunca mais ter ferias na vida de certeza, lançou esta acha para a fogueira, o povo sedento de sangue quis logo queimar bruxas e eu, honestamente estou farta de incendiários.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Prarabdha...

Ânsia da distância ingrata
que marca a tua imagem,
tatuagem que se prende à pele
e aprende a linguagem da dor...
Amor ausente num Presente que é presente envenenado...
Passado que impele o Futuro a repetir
e a desistir de mudar.
Inconsciência e consequência num Karma vicioso e viciante,
constante desilusão,
perdão mastigado e vomitado sem culpa...
Desculpa sem remorso, destroço de alma,
palma de flores com cheiro a morte,
consorte do sofrimento, 
lamento sem motivo,
o mesmo sentimento esquivo e destrutivo de sempre...
Amar, sofrer, Amar, doer, Amar...
Morrer...

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

A vã glória de Invernar...

Os Homens ainda não aprenderam a amar para sempre,
ajudam a trazer a vida ao mundo mas não a conservam dentro de si.
Sei que um dia saberemos esperar que a vida renove e  que os amores hibernem e renasçam, sem pressa, sem renuncia, sem desistência

 Sussurro as palavras que as paredes calam,
as paredes, às vezes, falam demais...
O resultado é um murro no estômago do passado.
Tudo o que sinto é aquilo que minto a mim mesma,
uma nesga de história de amor, com memória perturbada pela dor,
mais nada.
Nem sei como começou, mas sei porque acabou tantas vezes.
Somos arquitecturas destruidas e reconstruidas,
puras obras inacabadas, recomeçadas todos os dias.
Não é dificil amar alguém num momento,
porque os momentos são aguas frescas a beijar rios,
Amar para sempre inclui beijar rios que secaram
ou cujas águas estagnaram...
 E os homens têm demasiada sede.

domingo, 17 de setembro de 2017

Escolhas são sabores de gelados...

Gosto de saborear os sonhos,
mesmo os que acabam ou que nem se dignam a começar.
Gosto das possibilidades e das impossibilidades,
das realidades alternativas, das certezas que se constroem
 e se reescrevem em matérias vivas ou enterradas sem corpo, sequer.
O livre arbítrio que não determina coisa nenhuma,
a soma suma de todos os medos,
a coragem que surge e urge pela fraqueza,
a certeza incerta da (in)decisão.
Sei que Amar não basta, mas ajuda muito!
Sei que um beijo de Amor não cura mas amolece a dor!
Sei que sei muito pouco e ainda bem,
ninguém sabe tudo.
A efemeridade é a eternidade do Amor,
um sempre que nos desafia a desafiar a finitude
com uma amplitude arrogante que se recusa a morrer.
E isso é lindo...

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Sou tua.

Entro,
povoo-te,
devoro-te,
exploro-te...
Sou parte,
sou todo,
sou arte aos pés do teu pincel.
Sou acre e mel à solta
na tua boca que prova e repete.
Sou alma,
sou mente,
sou gente e animal.
Vida, fado,
enfado,
fatal.
Sou ida,
partida,
chegada
e demorada reconstrução.
Sou mão,
na tua,
fechada,
esticada,
desprendida.
Sou rua,
calçada,
passo,
espaço,
nada.
Sou tua.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

2 moedas para o homem da barca...

Nada sei dos mistérios da morte,
não conheço as certezas da vida,
não entendo a linguagem dos anjos...
Mas sei que há uma mensagem escondida
nos lábios de quem ama e (se) perde,
um luto, sem campa, sem flores, sem corpo,
que não se mede em palavras.
Os pássaros voam uma vida inteira
mas morrem no chão a olhar o céu,
nós somos aves sem penas...
A solidão é uma espera, apenas,
um caixão encomendado,
uma mera urna,
a despedida do ser alado
e a admissão da mortalidade...
Desististe e morreste,
ou então morreste e desististe...
O tempo não é estanque ou importante,
 só o fim nos marca,
no fim,
quando chega o Homem da barca...






domingo, 6 de agosto de 2017

Still, Unchained Melody...

Ainda tenho o desenho dos teus lábios na pele,
a impressão do teu cheiro,
o mel desordeiro do teu sabor, Amor...
O meu corpo nu,
teu corpo tempestade bravia da saudade que nos comia,
sem piedade.
Insaciedade do meu ser, cheio de medo de viver...
Inocência, a ciência dos condenados apaixonados!
Ainda tenho o calor dos teus braços na alma,
o desnorte da tua gargalhada desalinhada,
com que  alinhavavas a vida
e o sal de cada despedida nos olhos...
Meu espelho contraluz,
meu inverso,
prosa do verso fugaz
que me reduz ao silêncio mordaz,
lume do meu ciume.

Ainda?
Sempre!